Evangelhos de Mateus – Teologia e Culto Cristão

R$32,90

ISBN 9788568252505

152 p.

Mateus fala aos cristãos mediterrânicos, que já estavam sendo perseguidos, quando a primeira parte da sua obra fora escrita. Ele, simpaticamente, fala de Jesus a partir da experiência comum dos homens e das mulheres. Não, Jesus não é apenas um ativista que veio fazer uma revolução política econômica e social. Fez muito mais que isso: subverteu os valores criados pela ideologia da ganância, abundância e desperdício; do poder, da riqueza e do prestígio, colocando em seu lugar os valores da fraternidade, compartilhamento dos bens, e da partilha que gera liberdade e vida para todos. Jesus, no evangelho de Mateus, desvenda a hipocrisia (hupocrysis=máscara) de uma religião que não só não liberta as pessoas dos seus fardos, mas também lhes impõe um fardo extra nas costas. Como aceita-la se um animal de tração agrícola, que puxa o arado, vale mais do que uma pessoa humana? Se o animal pode liberto em dia de sábado, porque não uma pessoa oprimida a vida toda? O que pensar de uma religião que se apresenta como representante de Deus, mas que, na prática, escraviza e matam as pessoas, esmagadas e espremidas por sistemas políticos, econômicos, sociais impiedosos, enquanto pragmáticos? Essa “religião” não estaria justamente a serviço desse sistema?